Sobre a saudade

Ontem na aula de tétum abordou-se o tema.

Nós portugueses, e falo por mim, vivemos orgulhosos de poder, numa só palavra, expressar um sentimento tão forte. Mais: a palavra “saudade”, por si só, caracteriza a nossa identidade como povo.

 

Bonito, não é?!

 

Pois mas os timorenses não se ficam atrás. E, claro, têm uma palavra com significado equivalente. Mais poupados no dicionário, que o tétum é dialecto não uma língua, “hanoin” é pau para toda a obra. Serve para sentir a falta de alguém mas também para pensar numa pessoa ou mesmo expressar uma ideia e um pensamento.

 

Ou seja, dizer que pensei em alguém é o mesmo que ter saudades dessa pessoa. Isto não há cá meios-termos, meus amigos, o que pode originar mal-entendidos.

 

Mas se formos a ver as coisas, a versão espanhola é mais trabalhosa. “Te echo de menos”, dizem os nuestros hermanos. Literamente quer dizer, assim numa versão aportuguesada, “largo-te menos da mão”, ou seja, “quero-te mais”. Fofinhos…

 

Tenho saudades de casa. E das minhas pessoas. E dos abraços e gargalhadas cúmplices.

 

P.S: Se quiserem poupar os olhos, leiam só a última frase. Na verdade, era tudo o que queria dizer.

Reporter Timor às 02:47 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos