Não é possível fugir sem correr

É por isso que em todos os momentos livres que tenho, que são poucos infelizmente, vou para a praia correr.

 

Com sorte, volto a encontrar o miúdo que no Sábado dobrou a esquina na minha direcção, de braços abertos, como se estivéssemos a voar para o abraço um do outro. Até ele se encher de vergonha e dizer apenas “bom dia” e eu olhar em volta e perguntar-me “mas o que faz aqui uma criança sozinha?” como num sonho.

 

Não é possível fugir sem correr.

Então eu corro como uma criança de 8 anos.

E nesse momento sou livre das questiúnculas dos adultos.

Reporter Timor às 01:36 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos