Primeira Página #2

Polícia expulsa 400 estudantes timorenses de edifício no centro de Dili

 

Cerca de 400 estudantes de várias universidades de Díli foram hoje retirados pela Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) de um edifício que ocupavam ilegalmente no centro da capital timorense.

 

Durante toda a manhã, um forte dispositivo policial cortou várias ruas da cidade e procedeu à retirada dos estudantes e dos seus bens do antigo Hotel Resende, situado junto ao Palácio do Governo e do Parlamento Nacional.

 

O Hotel Resende é um antigo estabelecimento hoteleiro português destruído nos incidentes de dezembro de 2004 em Díli.

 

O edifício estava ocupado por cerca de 400 estudantes de vários estabelecimentos do ensino superior de Timor-Leste, a maior parte dos quais residentes nos distritos do país, que se deslocam para Díli para continuarem os seus estudos nas universidades.

 

"A polícia tirou-nos à força. Não houve diálogo", afirmou à agência Lusa uma estudante timorense, de 23 anos, de Baucau, salientando não saber onde vai passar a noite.

 

No local, algumas dezenas de populares assistiram à operação que decorreu sem incidentes, com exceção de alguns estudantes mais resistentes, que foram obrigados a sair do edifício pela polícia.

"O Governo decidiu tirá-los daqui porque estavam a entrar bandidos e à noite estavam a atirar pedras aos carros", disse um homem que assistia à operação da polícia.

 

A operação foi organizada pelo comandante do Comando Distrital de Díli, Pedro Belo, que afirmou que a polícia se limitou a executar uma resolução e que a "operação decorreu com toda a normalidade".

 

O administrador de Díli, Gaspar Soares, explicou à agência Lusa que os estudantes estavam a ser notificados desde o ano passado para abandonarem aquelas instalações degradadas, sublinhando que falou "muitas vezes" com os jovens.

 

"Já falei com os estudantes muitas vezes. A propriedade é do Estado e as pessoas não podem ocupar ilegalmente as propriedades do Estado. Estavam a ser notificados desde o ano passado", disse Gaspar Soares.

 

Segundo o administrador de Díli, o edifício vai ser entregue ao Banco Central de Timor-Leste, situado ao lado.

Centenas de estudantes universitários timorenses provenientes dos distritos vivem em Díli em habitações precárias ou em casa de familiares.

Reporter Timor às 09:04 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos