Warung, bakso e outros sabores do mundo #1

 

Timor ensinou-me que o bom da vida está precisamente em não fazer planos, em viver ao sabor do vento mas não exactamente à sombra da palmeira e antes, durante e depois, perceber como a vida pode ser, e é, um milagre.

 

As últimas semanas têm sido surpreendentes. Com corridas na praia ao fim do dia, mergulhos e pôr-do-sol. E nos intervalos disto tudo, sabores e gastronomias de todas as partes do mundo.

 

Díli, uma cidade surpreendentemente internacional, tem um sem-fim de experiências para oferecer e estava mais do que na hora de experimentar todas elas e cada uma de uma forma especial mas descontraída.

 

Vai daí, lembrei-me de inaugurar uma nova rubrica sobre as viagens do meu paladar ora num warung ou bakso, restaurantes indonésios, ora num restaurante ocidental. Depois há as bolas e berlim e os pasteis de nata, os sumos de frutas inesperadas e, ao que tudo indica, perigosas como é o caso do sirsak (ou graviola, uma espécie de anona em ponto gigante).

 

Nos próximos capítulos irão ver como se come bem por aqui, por apenas 2 dólares, com as mãos - que há dias em que talheres é coisa do futuro (ou será do passado?) - ou como encontrar um prego no pão ou uma francesinha em plena Díli.

 

Próxima paragem: warung, bakso, tasquinha ou restaurante?

 

 

Reporter Timor às 01:48 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos