Nómada

Pus o chapéu no dia em que o meu amigo D. me chamou, isso mesmo, nómada. Não foi insulto nem elogio. Atirou-me a palavra num momento em que eu falava como se tivesse asas. Algo absolutamente novo em mim. Este texto, contudo, veio apaziguar-me o espírito. Sou nómada sim, e parece que não estou só.

"Nós, os jovens portugueses, não escolhemos ser nómadas. Emigramos porque nos destruíram o oásis prometido e nos meteram num deserto de ilusões. Caíu-nos uma intempérie em cima. Não foi o dilúvio cinzento e tirano que afastou os nossos antepassados. Não. Esta veio em forma de brisa matreira, que a todos seduziu com sopros de bonança e logo os varreu com um vendaval de soberba. O furacão levou-nos tudo. De repente, vimo-nos sem madeira para as palhotas, sem sustento para a família, com a comunidade destruída e sem ocupação. Passámos a ser caçados, não temos quem nos cure e não conseguimos criar raízes. Nómadas, como antes."

O seu a seu dono, vejam o artigo na íntegra aqui: http://www.abica.pt/2013/02/16/nos-os-nomadas/.
Reporter Timor às 01:59 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos