Mentes perversas

 

Não há outra maneira de expôr o assunto. Estes miúdos, putos de 7 e 8 anos, têm mentes perversas.

 

Uma caminhada na praia ou uma corrida na estrada pode significar um par de mãos que se aproxima, toca e foge. Porque sou mulher mas, sobretudo, porque sou malae'e. Curiosamente, isto acontece sempre que não estou sozinha e foi por isso que o R. passou a correr atrás de mim, sempre atento, e já por duas vezes teve que os assustar. Como ontem. 

 

"La bele kona feto" foi o que eu lhe disse, furiosa, e lá foi ele a correr contar aos amigos orgulhoso porque quase apalpou a malae'e. A verdade é que se eu fosse timorense a minha família TODA tratava-lhe da saúde. Diz que há uns anos um português se envolveu com uma rapariga e teve que sair do país ou era morto.

 

Isto deixou-me a pensar no quão longe ficam as campanhas de informação pública sobre a violência de género que se focam, geralmente, na violência doméstica. Em Portugal nenhum puto se atreveria a fazer uma coisa destas mas perdi a conta ao número de homens, muitos deles polícias, que me lançaram piropos e afins.

 

Aqui e em qualquer parte do mundo, parece-me, este é um assunto mais importante do que se pensa.

Reporter Timor às 00:02 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos